Exame de Covid-19: quando fazer e quais os tipos

Exame de Covid-19: quando fazer e quais os tipos
+ + + + +

O tempo seco, a baixa umidade do ar e a tendência de ficarmos mais tempo em ambientes fechados são propícios para o desenvolvimento de doenças respiratórias no inverno. Por mais que isso seja comum e previsto pelos órgãos de saúde, em 2020 há um fator de preocupação extra: a Covid-19. Com sintomas parecidos com o de uma gripe, ela pode causar complicações severas e até mesmo levar à morte. Diante dessas incertezas, todo mundo precisa fazer o teste para detectá-la?

Para explicar melhor essa questão, é preciso entender como é a reação do corpo e como funcionam os testes disponíveis. Quando o organismo é atacado por uma doença, há uma janela de seis dias, em média, para o surgimento dos primeiros sintomas. A primeira resposta vem na forma da produção de anticorpos do tipo IgM e, após alguns dias, do tipo IgG. No caso da Covid-19, ainda não se sabe por quanto tempo essas defesas permanecem ativas, porém são usadas pelos testes rápidos para mapear a população “imunizada” – entre aspas, pois ainda não há estudos conclusivos sobre esse tema.

Mas todo mundo que apresentar sintomas deve procurar um médico? O Ministério da Saúde recomenda que se faça um isolamento domiciliar por 14 dias se eles forem leves, em um ambiente com boa ventilação e mantendo o distanciamento dos demais moradores. Manter o descanso, a hidratação e a alimentação saudável também são recomendados para uma breve recuperação. Se a febre continuar por alguns dias ou se houver dificuldades para respirar, porém, é preciso procurar um médico. Ele poderá recomendar a realização dos exames, que se dividem em dois tipos:

Testes sorológicos

Estes são os exames para detectar os anticorpos (IgM e IgG) criados pelo organismo para se defender da Covid-19. O teste é rápido e de fácil execução, com resultados entre 10 minutos e um dia, dependendo da metodologia escolhida. Existem alguns tipos no mercado, que se diferenciam quanto à limitação do produto, limite de detecção, desempenho esperado e tempo de leitura.

É feito a partir da coleta de uma gota de sangue do paciente e deve ser realizado por um profissional de saúde capacitado para executar o procedimento com segurança e interpretar os resultados corretamente. Porém esse teste não tem status de diagnóstico, pois podem apresentar falsos resultados positivos ou negativos, dependendo do avanço da doença ou da presença de outros coronavírus no organismo.

De acordo com a Anvisa, deve ser realizado em pessoas que apresentem ou tenham tido sintomas há pelo menos oito dias, pois é o tempo necessário para o organismo criar uma quantidade suficiente de anticorpos para ser detectada pelo método.

Um resultado negativo apenas indica que o paciente não tem anticorpos em quantidade detectável naquele momento contra a Covid-19.

Ou seja, o teste isolado não pode ser usado para confirmar ou descartar a doença e nem mesmo indicar que a pessoa está imune.

“Ainda não está claro se o IgG confere imunidade adquirida (de longo prazo) e nem quanto tempo ela dura. Há também uma heterogeneidade da resposta imunológica: alguns pacientes demoram muitas semanas para desenvolver a imunidade”, explica o médico Gustavo Campana em entrevista para o Metrópoles.

RT-PCR

É considerado o “padrão ouro” quando se fala em exames para detectar a Covid-19, pois detecta a presença do RNA do vírus a partir de técnicas da biologia molecular. É ideal para identificar a doença nos primeiros dias (entre o 3º e o 7º dia), quando os sintomas estão mais fortes e o paciente ainda possui uma alta carga de vírus no organismo. As amostras são coletadas por cotonetes (swabs) no nariz e na garganta, sendo analisadas posteriormente em laboratório para a confirmação.

Apesar disso, esse tipo de teste também possui limitações. Se for pesquisado muito no início, a pessoa pode estar infectada, mas sem vírus detectável. Depois de três semanas do surgimento dos sintomas, o vírus também já pode ter desaparecido, gerando resultados falsos. “Resultados falso-positivos podem levar à quarentena desnecessária e problemas para rastreamento dos contatos; enquanto resultados falso-negativos podem levar à não identificação de pessoas infectadas e disseminação da infecção”, explica a professora da Faculdade de Medicina da UFMG, Glaucia Queiroz Andrade.

Assintomáticos

Quem está sem sintoma de Covid-19 não precisa realizar o teste. Há um risco, inclusive, de haver um resultado falso-positivo e a pessoa se sentir confiante a ponto de se expor à infecção. O recomendado, portanto, é buscar os testes apenas com recomendação médica e seguindo todas as recomendações oferecidas pelo profissional.

O mais correto, porém, é manter as medidas de segurança recomendadas pelos órgãos de saúde. Continuar com o uso contínuo da máscara e do álcool em gel, manter o distanciamento social e, se possível, permanecer em casa enquanto os casos continuarem a crescer no país. Só assim é possível cuidar da própria saúde e do bem-estar de toda a sociedade.

Exames na AssisteMed

Para auxiliar seus pacientes, a AssisteMed está realizando testes sorológicos de Covid-19, com resultado em até 24 horas. Se o seu médico indicou a realização do exame, veja como podemos te ajudar pelo telefone (31) 2342-1200 ou pelo formulário aqui em nosso site.

Marque seu exame ▸